sexta-feira, 6 de Março de 2009

cetácios

Golfinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Wikipedia:Como ler uma caixa taxonómicaComo ler uma caixa taxonómica
Golfinhos

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cetacea
Subordem: Odontoceti
Família: Delphinidae
Gray, 1821
Géneros
Ver texto
Wikispecies
A Wikispecies tem informações sobre: Golfinho
Golfinhos e sua treinadora no Aquário do Zoológico de Barcelona

Os golfinhos ou delfins são animais mamíferos cetáceos pertencentes à família Delphinidae. São perfeitamente adaptados para viver no ambiente aquático, existem 37 espécies conhecidas de golfinhos, dentre os de água salgada e água doce. A espécie mais comum é a Delphinus delphis.

São nadadores privilegiados, às vezes, saltam até cinco metros acima da água, podem nadar a uma velocidade de até 40 km/h e mergulhar a grandes profundidades. Sua alimentação consiste basicamente de peixes e lulas. Podem viver de 25 a 30 anos e dão à luz a um filhote de cada vez. Vivem em grupos, são animais sociáveis, tanto entre eles, como com outros animais e humanos.

Sua excelente inteligência é motivo de muitos estudos por parte dos cientistas. Em cativeiro é possível treiná-los para executarem grande variedade de tarefas, algumas de grande complexidade. São extremamente brincalhões, pois nenhum animal, exceto o homem, tem uma variedade tão grande de comportamentos que não estejam diretamente ligados às atividades biológicas básicas, como alimentação e reprodução. Possuem o extraordinário sentido de ecolocalização ou biosonar ou ainda orientação por ecos, que utilizam para nadar por entre obstáculos ou para caçar suas presas.

Baleia-azul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Wikipedia:Como ler uma caixa taxonómicaComo ler uma caixa taxonómica
Baleia-azul

Estado de conservação
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cetacea
Subordem: Mysticeti
Família: Balaenopteridae
Género: Balaenoptera
Espécie: B. musculus
Nome binomial
Balaenoptera musculus
Linnaeus, 1758
Distribuição geográfica

A baleia-azul (Balaenoptera musculus) é um mamífero marinho. Como outras baleias, as baleias azuis usam lâminas córneas na sua cavidade bucal para filtrar seu alimento (krill) da água do mar, alimentando-se também de pequenos peixes e lulas. A baleia-azul é o maior animal já vivo, podendo chegar a ter 33 metros de comprimento e mais de 180 toneladas de peso[1].

A baleia-azul possui uma pequena aleta (abertura) que é visível apenas num curto período, quando a baleia mergulha. Tal aleta pode produzir jatos de água de até nove metros altura. O seu pulmão pode conter aproximadamente cinco mil litros de ar.

É também o animal mais ruidoso do mundo. Emitem sons de baixa frequência que atingem os 188 decibéis — mais fortes que o som de um avião a jacto — que podem ser ouvidos a mais de 800 quilómetros de distância[1].

terça-feira, 3 de Março de 2009

repteis

COBRA-REI

Nome popular: Cobra-rei ou cobra-real
Nome Científico: Ophiophagus hannah
Nome em Inglês: King cobra
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Elapidae
Distribuição: América do Sul
Habitat: Mata Atlântica
Hábito: Diurno
Distribuição geográfica: Planícies da Índia, sul da China e sudoeste asiático
Habitat: As cobras-reais vivem principalmente nas florestas tropicais.
Alimentação: carnívora e a sua dieta consiste basicamente em outros ofídios, venenosos ou não, mas não despreza lagartos, ovos e pequenos mamíferos.
Acasalamento: Antes do acasalamento, macho e fêmea executam uma espécie de dança nupcial, na qual se enfrentam com as cabeças erguidas. Na época da postura, a fêmea prepara um ninho de folhas, capim e galinhos. ë perigoso chegar perto do ninho nessa ocasião porque o macho está sempre de guarda.
Hábitos: Elas vivem aos pares, fato raro entre as cobras.
Comprimento: até 6 m
Cor: varia significativamente de região para região.
Mitologia: A cobra-rei foi importante na mitologia do extremo Oriente. Tem sido usada como modelo em pequenas estátuas, joalheria e decoraçào. Ainda prevalece na Birmânia um estranho costume. uma jovem para em frente da serpente e oferece-lhe leite em tigela. Se a cobra avançar, ela deve beijá-la na cabeça.

A cobra-rei é a maior cobra venenosa que existe, podendo alcançar os 6 metros de comprimento. O seu nome científico, "Ophiophagus" significa literalmente "comedora de serpentes". Desloca-se à vontade no solo, em cima das árvores e na água. É fácil distingui-la das espécies aparentadas, especialmente da naja indiana, pelo seu porte avantajado.

Apesar de não ter um veneno excessivamente virulento (com uma toxicidade inferior à da maioria das suas "primas", as najas), possui a capacidade de inocular grandes quantidades por mordida, o que a torna uma das serpentes mais letais. Numa só mordida ela pode libertar até sete mililitros de neurotoxina, suficiente para matar 20 pessoas ou até um elefante. Porém, tal como a maioria das cobras, é tímida e evita o contacto com o homem e só se for acossada se torna ferozmente agressiva.

Ao ser confrontada, é capaz de elevar um terço do seu corpo, ficando à altura de um humano adulto, e continuar a avançar para o ataque. Simultaneamente, abre as suas típicas abas, e emite um assustador sibilar, que soa como o rosnar de um cão.

São mais conhecidas por serem a espécie preferida pelos encantadores de serpentes do sul da Ásia.

Dormideira, jararaquinha dormideira

Nome popular: Dormideira, Jararaquinha dormideira
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Família: Colubridae
Nome científico: Sibynomorphus mikanii
Nome inglês: sleep snake
Distribuição: América do Sul
Habitat: Cerrado
Hábito: Noturno

Particularidades: Muitas pessoas as chamam de
Jararaquinha dormideira. Trata-se de uma
cobra extremamente inofensiva e calma, mesmo quando
manipulada com as mãos. É muito
comum encontra-las em hortas, lugar frequentado pelas
lesmas do qual se alimenta. Seu tamanho varia de 15cm
até 40cm.

Hábitos alimentares: Alimenta-se de lesmas.

Reprodução: Ovípara, coloca entre 05 e 10 ovos com o
nascimento previsto para início da estação chuvosa.

Sucuri

Nome popular: Sucuri, Anaconda
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Família: Boidae
Nome científico: Eunectes murinus
Nome inglês: Green Anaconda
Distribuição: América do Sul
Habitat: Pântanos, rios, e lagoas
Hábito: Diurno e crepuscular.

Particularidades: A Sucuri tem fama de matadora de homens, e principalmente na internet, onde circulam várias fotos de cobras que engoliram seres humanos, mas nunca foi exibido nem na tv ou em fotos uma Sucuri com um ser humano como conteúdo, tendo somente fotos da Píton Reticulado (Phyton reticulatus) da Ásia. Muitas lendas são contadas, inclusive que a Sucuri quebra ossos. Na verdade isso pode até acontecer, mas ela não faz propositadamente.

Muitas histórias são verdadeiras, mais a grande maioria é mito. Não descarto a possibilidade da Sucuri matar e comer um homem, mas até hoje todas as histórias envolvendo as Sucuris, são falsas. Mede geralmente 4,50 metros, podendo chegar a 9m.

Hábitos alimentares: Alimenta-se principalmente de capivaras, veados, jacarés, e qualquer animal desavisado que vai fazer uso da água na hora errada..

Reprodução: Vivípara, nascendo entre 10 e 20 filhotes no início da estação chuvosa.



animais pré históricos

Carnotauro


Nome Comum: Carnotauro
Nome em Inglês:
Carnotaurus
Nome Científico:
Carnotaurus sastrei
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Infraordem: Tetanurae
Família: Abelisauridae
Distribuição geográfica: Carnotauro morou em Patagônia, Argentina durante a fase de Maastrichtian do Recente Cretáceo, e foi descoberto por José F. Bonaparte que descobriu muitos outro dinossauros estranhos na América do Sul.
Época: Cretáceo. Há 95 milhões de anos atrás
Peso: uma tonelada
Tamanho: 9 metros de comprimento e 3 metros de altura
Alimentação: Carnívora. A região em que o carnotauro foi encontrado era habitada por um dinossauro herbívoro saurópodo chamado chubutissauro, cerca de três vezes menor em comprimento. Acredita-se que o chubutissauro fosse a principal presa do carnotauro.
Velocidade:
Significado do nome: O Nome vem do latim que significa carne-touro (Latin carno = carne +grego taurus=touro) era um dinossauro predatório grande, com chifres que se assemelham vagamente a um touro.
Descoberto: Foi descoberto em 1985 pelo paleontólogo José Bonaparte em Chubut , na Argentina.
Espécies: Carnotaurus sastrei é a única espécie conhecida. parentes próximos inclue: Aucasaurus (Argentina), Majungasaurus (Madagascar), e Rajasaurus (India).
Características: Várias características do carnotauro chamam a atenção dos cientistas. Embora fosse carnívoro, foi observado nele uma característica comum apenas em herbívoros, a presença de pequenos chifres, acredita-se que eles eram usados em lutas com indivíduos da mesma espécie, já que são pequenos demais para terem sido usados na caça. Outras características impressionantes eram os pequenos olhos apontados para frente e os ossos da coluna com projeções em forma de asa. O focinho maciço sugere orgãos olfativos grandes e olfato apurado.

A característica mais interessante do animal era sua pele, pois impressões de pele em terópodes são raras. É mais comum encontrar impressões de pele nos hadrossaurídeos (dinossauros com bico de pato). As impressões de pele do carnotauro demonstram que sua pele era composta de muitas escamas em forma de disco, com escamas maiores, em forma semicircular, ao longo dos flancos. Como a pele de todos os dinossauros conhecidos, essa escamas não se sobrepunham, o contrário do que acontece com alguns lagartos e cobras.

O carnotauro e outros dinossauros sul-americanos do cretáceo eram muito diferentes dos animais de outras partes do mundo, mesmo dos da América do Norte. Esse grupo de animais sustenta a teoria de que, no cretáceo, a América do Sul estava isolada dos demais continentes, de modo que seus animais evoluíram de maneira diferenciada. Os incomuns e instigantes dinossauros sul-americanos do cretáceo estão apenas começando a ser pesquisados e revelarão muita informação no futuro próximo.

Barossauro


Nome Comum: Barossauro
Nome em Inglês:
Barosaurus
Nome Científico:
Barosaurus lentus
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Sauropsida
Superordem: Dinosauria
Ordem:Saurischia
Subordem: Sauropodomorpha
Família: Diplodocidae
Subfamília: Diplodocinae
Distribuição geográfica: América do Norte e na Tanzânia
Época: Jurássico, entre 155 à 145 milhões de anos atrás
Peso: cerca de 30 toneladas
Tamanho: 27 metros de comprimento e em torno de 16 metros de altura
Alimentação: Herbívoro
Significado do nome: vem do latim e significa "lagarto pesado"
Descoberto: Foi descoberto na América do Norte durante as "Caças de Dinossauro Ocidentais Selvagens" (as "Guerras de Osso") de finais de o 19º século.
Espécies: B. lentus Marsh, 1890; B. africanus (Fraas, 1908); B. gracilis (Janensch, 1961)
Características: Era um enorme dinossauro saurópode e foi um dos mais compridos dinossauros que já existiram. Possuía um longo pescoço, bastante leve graças a seus ossos ocos, que facilitavam o movimeto vertical. Sendo assim, erguia a cabeça a uma altura invulgar para dinos de sua configuração corporal. Por isso, precisava de um sistema circulatório muito eficiente.

Viviam em enormes manadas onde os filhotes andavam no centro, sendo protegidos pelos adultos que quase não tinham predadores naturais. Passava a maior parte de seu tempo comendo folhas de árvores e arbustos, viviam em enormes manadas onde os filhotes andavam no centro, sendo protegidos pelos adultos que quase não tinham predadores naturais.

Barossauro

domingo, 1 de Março de 2009

Leopardos e onças

Hoje vamos ver como os leopardos podem ser interessantes!

LEOPARDO DAS NEVES

LEOPARDO DAS NEVES

NOME CIENTÍFICO: Panthera uncia
NOME EM INGLÊS: Snow Leopard

FILO: Chordata
CLASSE: Mammalia
ORDEM: Carnívora
FAMÍLIA: Felidae

CARACTERÍSTICAS:
Comprimento:
até 1,50 metro, mais 1 de cauda
Altura: até 70 cm
Peso: até 80 Kg
Período de gestação: cerca de 90 dias
Três filhotes em média por ninhada.

A pelagem do leopardo das neves (também chamado onça) é muito mais bela do que a de qualquer outro leopardo. A pele é macia e espessa, de pelos longos e sedosos, com uma lanugem na base.

As manchas são de cores delicadas. Imagine quantos animais devem ser sacrificados para cada casaco de pele! Costuma-se pensar que quatro seriam suficientes, mas não é assim. Para obter-se quatro couros sem cicatrizes e cujas manchas combinem em forma e em cor, dezenas de animais devem ser mortos. A moda é inimiga do leopardo.

A existência da espécie está ameaçada e sua caça foi restrita, embora ainda continue. Nos Estado Unidos a importação de casacos feitos com peles dos grandes felinos é ilegal. O leopardo das neves leva uma vantagem sobre os demais habitat é de difícil acesso. Ele vive em grandes altitudes, entre 3 000 e 6 000 metros, no Himalaia e nas montanhas do norte da China.

Seus hábitos são os mesmos dos demais leopardos, mas ele usa sua pelagem para camuflar-se na neve. Deita-se sobre um rochedo ou ramo baixo à espera da presa e salta sobre ela quando ela passa.

GUEPARDO

NOME COMUM: Guepardo

NOME EM INGLÊS: Cheetah

NOME CIENTÍFICO: Aciononyx jubatus
NOME EM ESPANHOL: Guepardo
NOME EM FRANCÊS:
Guépard
NOME EM ALEMÃO:
Gepard

FILO: Chordata
CLASSE: Mammalia
ORDEM: Carnívora
FAMÍLIA: Felidae
CARACTERÍSTICAS:
Comprimento corpo: 120 - 150 cm
Comprimento do rabo:
60 - 80 cm
Altura na cernelha:
60 - 76 cm
Peso: 28 - 65 kg
REPRODUÇÃO:
Período de gestação: 90 - 95 dias
Número de crias:
1 - 5 filhotes
Peso ao nascer:
250 - 280 g

CICLO VITAL:

Desmame: 6 meses
Amadurecimento sexual:
Fêmeas depois dos 2 anos, machos depois dos 2,5 - 3
Tempo de vida: Aproxim.
15 anos

INIMIGOS: Humanos, leões, hienas e cães selvagens


Esse animal corre muito: pode alcançar a velocidade de 110 quilômetros por hora.

Mas um bom cavalo pode superá-lo. Sua especialidade é o ataque de surpresa. Como se surgisse do nada, ele cai sobre um rebanho que pasta e mesmo animais ágeis como a gazela, o antílope, a zebra, o avestruz e o gnu não podem escapar.

Geralmente prefere caça pequena. É um animal solitário, embora às vezes cace aos pares.

Sua velocidade é uma proteção. Talvez, por isso, não tenha medo do homem, sendo facilmente domesticado. Os sultões da índia tinham centenas deles e os usavam como cães de caça. Há muito desapareceram da Ásia e hoje são raros na África.

Com um treinamento hábil, o guepardo pode torna-se uma companhia efetuosa, tem a agilidade dos grandes felinos. Seu parentesco com eles mostra-se na pequena cabeça redonda, pelagem e grande cauda malhada. Contudo, pelas longas pernas, garras não retráteis e latido, assemelha-se a um cão. A fêmea produz de dois a cinco filhotes, duas vezes ao ano. Não se reproduz bem em cativeiro.

LEOPARDO

NOME COMUM: Leopardo

NOME CIENTÍFICO: Panthera pardus

NOME INGLÊS: Leopard

FILO: Chordata
CLASSE: Mammalia
ORDEM: Carnívora
FAMÍLIA: Felidae
CARACTERÍSTICAS:
Comprimento:
até 1 metro e meio
Peso: até 80 Kg
Época do acasalamento: de Fevereiro a março
Período de gestação: 90 dias
Ninhada: 3 a 5 filhotes

Até recentemente, acreditava-se que o leopardo africano, a pantera asiática e a pantera negra de Java eram espécies animais diferentes. Hoje sabe-se que não é assim. O nome leopardo é usado no continente africano, e pantera é mais comum na Ásia. A pantera negra pode Ter pais e filhos pintados. A cor negra é causada pelo excesso de melanina, que é um pigmento que provoca essa variação de cor, oposta ao abismo.

Qualquer que seja o seu nome, o leopardo é um animal cruel, mas belo. Seu caminhar ondulante, seus movimentos graciosos e um olhar estranho são fascinantes. As presas enormes na boca aberta aterrorizam. Quando invade uma zona habitada, espalha o terror, atacando pessoas e o gado.

As lendas indianas de panteras comedoras de gente não são totalmente imaginárias. O homem, porém, tem caçado mais leopardos do que o leopardo tem matado homens. Atualmente esse animal tem sido tão procurado, por causa da sua pele, que corre o risco de desaparecer.


LEOPARDO ASIÁTICO

NOME COMUM: Leopardo Asiático ou Gato leopardo

NOME CIENTÍFICO: Felis [Prionailurus] bengalensis
SUBSPÉCIES:
P.b.alleni - Hainan Is. - China
P.b.bengalensis - India, Indochina
P.b.borneoensis - Borneo
P.b.chinensis - China
P.b.euptilurus - Korea, Leste da Siberia
P.b.horsfieldi - Sul de Kashmir
P.b.javanensis - Java, Bali
P.b.sumatranus - Sumatra
P.b.trevelyni - Norte de Kashmir

FILO: Chordata
CLASSE: Mammalia
ORDEM: Carnívora
FAMÍLIA: Felidae

NOMES EM:
- INGLÊS:
Leopard Cat - Bengal cat
- FRANCÊS: chat léopard du Bengale
- ALEMÃO: Bengalkatze - Zwergtigerkatze
- ESPANHOL: gato bengali, gato de Bangala
- BANGLADESH: chita biral, ban bilar
- CHINES: jin chien mao, bao mao, shih hu, shan mao
- AFEGÃO: psk jangley
- INDONÉSIA: kucing batu, kucing congkok
- ÍNDIA e PAQUISTÃO: chita billi
- KACHIN: nam laniao
- KANNADA: INDIA: huli bekku
- KAREN, TALAIN: kla hla
- LAOS: sua meo, sua pa, sua nak
- MAHRATTI, GHATS: INDIA: wagati
- MALÁSIA: kucing batu, rimau akar
- MYANMAR: kye thit, thit kyuk, kya gyuk
- FILIPINAS: maral, tamaral
- RUSSIA: Amurskii kot, bengalskaya koshka
- SHAN: hen wap
- TAILÂNDIA: maew dao
CARACTERÍSTICAS:
Comprimento corpo:
40 - 90 cm
Comprimento do rabo:
aproximadamente metado do comprimento do corpo
Altura na cernelha:
20 - 45 cm
Peso: 3 - 8 kg ou mais
REPRODUÇÃO:

Período de gestação: 65 - 70 dias
Número de crias:
2 - 4 filhotes. Os pais ajudam a criar os filhotes.
Peso ao nascer:
75 - 95 gs

CICLO VITAL:

Desmame: aproximadamente 3 meses
Amadurecimento sexual:
fêmeas depois de 2,5 anos e machos com 2,5 anos
Acasalamento:
São relatados períodos de cobertura uma vez ao ano entre os meses de fevereiro e março, nas regiões frias. Nas regiões tropicais os acasalamentos ocorrem durante todo o ano.
Tempo de vida:
12 - 15 anos

INIMIGOS: Leopardos, hienas, lobos e raposas.
ALIMENTAÇÃO: A dieta também inclui pequenos herbívoros, lebres, répteis, insetos, enguias, peixes e ocasionalmente carniça.

PAÍS DE ORIGEM: Ásia
DISTRIBUIÇÃO: Sua distribuição compreende deste a Índia até a Sibéria, chegando ao extremos Oriente do continente, inlcuindo o Japão, Filipinas e as ilhas menores da Indonésia.
HABITOS: possue hábitos noturnos, se mantem ativo do entardecer até o amanhecer, o que se torna raro vê-lo durante o dia.
Embora descritos como primariamente noturnos alguns animais monitorados por colares rádio-transmissores na Tailândia exibiram atividade diurna com muita frequência.
HABITAT: Habitante original das selvas de Bangladesh, Afeganistão, Burma, Camboja, China, Índia, Indonésia, Japão, Coreia, Laos, Sumatra, Bornéu, Malaysia, Nepal, Paquistão, Filipinas, Taiwan, Tailandia, antigas repúblicas da URSS e Vietnam.

CURIOSIDADE: Um fato interessante sobre o leopardo asiático é que ele é o unico gato selvagem utilizado, com sucesso, em programas de procriação híbrido para produção de gatos domésticos. Nos últimos anos ele deu origem à raça Bengali. O Bengali desenvolveu-se a partir de um programa americano de 1963, em que a geneticista Jean Sugden cruzou um macho doméstico com uma fêmea de gatopardo asiático, tentando transferir as marcas do gato selvagem para uma raça doméstica. Os primeiros espécimes de leopardo asiático chegaram aos EUA na década de 50.
APARÊNCIA FÍSICA: Assemelha-se à Jaguatirica , da América do Sul (Felis pardalis), sendo em geral de porte menor As variedades que habitam as regiões da antiga União Soviética (Felis euptilura) costumam ser maiores e de pelagem mais densa – são os gatos de Amur. Costumam ser de coloração marrom-amarelado nas regiões tropicais e marrom-acinzentado nas áreas mais ao norte. De fato há uma ampla gradação nas nuances de cores. O padrão de pelagem do leopardo asiático é pintalgado com spots escuros, algumas vezes sólidos, outras vezes exibindo rosetas, sendo a cauda listrada em negro, até a extremidade.
PROTEÇÃO: Caça proibida: Bangladesh, Hongkong, India, Indonésia, Japão, Malásia (exceto Sabah), Myamar, Nepal, Pakistão, Russia, Tailândia, Taiwan. Caça e Comércio controlados: Coréia do Sul, Laos, Singapura. Sem proteção legal fora das áreas de controle: Butão, Brunei, China, Filipinas, Vietnam Sem Informações: Afeganistão, Camboja, Coréia do Norte.

Em comparação a outros felinos, os gatos-leopardos asiáticos são comuns nas áreas em que habitam. Populações que vivem em ilhas são as mais vulneráveis. Nas Filipinas, onde o estado atual das florestas é o pior em toda a Äsia tropical o leopardo asiático sem dúvida enfrenta dificuldades. Provavelmente será extinto em Cebu, devido à extensa devastação das florestas, assim como já ocorreu em muitas outras ilhas da região. Estima-se que sejam menos de 100 nas ilhas Tsushima. Em Taiwan são capturados regularmente nas armadilhas de caçadores aborígenes.

AMEAÇAS: Tem sido desenvolvidos programas de reprodução em cativeiro para as populações das ilhas de Tshushima e Negros. Caça ilegal e exportação de pele na China. Outra ameça potencial é que os leopardos asiáticos cruzam espontaneamente com gatos domésticos que vivem em condição livre ou semi-selvagem.

JAGUATIRICA

NOME COMUM: Jaguatirica ou Gato do mato
NOME EM INGLÊS: Ocelot
NOME FRANCÊS: ocelot
NOME ALEMÃO: Ozelot
NOME EM ESPANHOL: Ocelote
CIENTÍFICO: Leopardus pardalis
FILO: Chordata
CLASSE: Mammalia
ORDEM: Carnívora
FAMÍLIA: Felidae
HABITAT: Da Costa Rica à Argentina
ALIMENTAÇÃO: Ratos, passarinhos, insetos
COMPRIMENTO DO CORPO: máximo 1 m
COMPRIMENTO DO RABO: 27 - 35 cm
ALTURA DA CERNELHA: 40 - 50 cm
PESO: 11 - 16 kg
REPRODUÇÃO: Idade de procriação mínima para fêmeas é 18 meses, com o máximo que cria idade ao redor 13 anos. Machos amadurecem a aproximadamente 15 meses, com um máximo que cria idade de 15 anos. Nas regiões trópicas a época de reprodução ocorre de setembro a novembro. Fêmeas entram no cio ua cada 4 a 6 meses. O cio dura 7 a 10 dias a menos que concepção aconteça (em média 5 dias).
PERÍODO DE GESTAÇÃO: varia entre 70 e 75 dias.
FILHOTES: Normalmente nascem só 1 ou 2 filhotes, casos raros de 3.
PESO AO NASCER: 90 g
DESMAME: Seu desmame ocorre entre 8 e 10 semanas e o crescimento é lento.
TEMPO DE VIDA: 20 anos
PELAGEM: Seu corpo é esbelto e musculoso, com pelagem curta e suave de coloração de fundo amarelado ou pardo-acinzentado, com manchas pretas arredondadas, que podem apresentar-se como listas longitudinais na parte superior do corpo. Ventralmente e nas patas a cor é esbranquiçada.

Gato do mato é o nome comum a diversas espécies do gênero Felis, todas com menos de 1 m de comprimento. Entre elas estão o gato-tigre, Felis tigrina, do tamanho de um gato doméstico e o menor dos gatos; o maracajá , Felis wiedii, e o Felis geoffroyi, pouco maior que os outros dois, mas apresentando manchas menores e em maior número. A jaguatirica é um gato do mato de maior porte.

Os gatos do mato têm hábitos noturnos e geralmente vivem nas matas. Caçam no chão, onde são muito ágeis, ou nas árvores, e se alimentam de pequenos mamíferos, aves, répteis e anfíbios.

Durante a noite chegam a invadir galinheiros onde causam grandes estragos. São inofensivos ao homem, mas defendem-se ferozmente quando atacados. Geralmente a fêmea dá a luz em algum oco de árvore ou em uma moita de arbustos bastante densa, onde possa esconder os filhotes.

Devido a sua pele muito bonita, os gato do mato são bastante perseguidos, estando ameaçados de extinção. Das três espécies, apenas o gato maracajá chega a atingir o sul dos Estados Unidos; as outras duas são comuns nas florestas das Américas Central e do Sul.


Onça Pintada
Ameaçado

Nome vulgar: ONÇA PINTADA
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felidae
Nome científico: Panthera onca
Nome inglês: Jaguar
Distribuição: Ao sul dos EUA, México, América Central e América do Sul (Noroeste da Argentina)
Habitat: Florestas e savanas
Hábito: Noturno
Comportamento: Solitário e territorialista
Longevidade: 20 anos
Maturidade: 3 a 4 anos de idade
Época reprodutiva: Durante todo o ano
Gestação: 93 a 105 dias
Nº de filhotes: 1 a 4 filhotes
Peso adulto: 36 a 158 Kg
Peso filhote: 700 a 900 g
Alimentação na natureza: Aves, Mamíferos
Alimentação em cativeiro: Carne
Causas da extinção: Caça e destruição do habitat

Os índios do Brasil guardam a gordura da onça abatida e a comem com a ponta de uma flecha. Eles acreditam que ela lhes dá uma grande coragem, como se fosse a porção de um feiticeiro. Essa gordura também é esfregada no corpo dos meninos, para torná-los fortes e protegê-los contra o mal.

Habita florestas úmidas às margens de rios e ambientes campestres desde a Amazônia e Pantanal até os Pampas Gaúchos. A onça pintada ou jaguar possui hábitos noturnos e é solitária. Excelente caçadora e nadadora, costuma abater capivaras, veados, catetos, pacas e até peixes. Pode também caçar macacos e aves. Para atacar sua vítima, é muito cautelosa, desloca-se contra o vento e aproximando-se silenciosamente surpreende a presa saltando sobre seu dorso. Daí surgiu o nome jaguar ou jaguara que significa no dialeto Tupi-guarani a expressão "o que mata com um salto".

Sendo o maior mamífero carnívoro do Brasil, necessita de pelo menos 2 Kg de alimento por dia, o que determina a ocupação de um território de 25 a 80 Km2 por indivíduo a fim de possibilitar capturar uma grande variedade de presas. A onça seleciona naturalmente as presas mais fáceis de serem abatidas, em geral indivíduos inexperientes, doentes ou mais velhos, o que pode resultar como benefício para a própria população de presas. Na época reprodutiva, as onças perdem um pouco os seus hábitos individualistas e o casal demonstra certo apego, chegando inclusive a haver cooperação na caça. Normalmente, o macho separa-se da fêmea antes dos filhotes nascerem. Em geral, após cem dias de gestação nascem, no interior de uma toca, dois filhotes - inicialmente com os olhos fechados. Ao final de duas semanas abrem os olhos e só depois de dois meses saem da toca. Quando atingem de 1,5 a 2 anos, separam-se da reprodutora, tornando-se sexualmente maduros.

Apesar de tão temida, foge da presença humana e mesmo nas histórias mais antigas, são raros os casos de ataque ao homem. Como necessita de um amplo território para sobreviver, pode "invadir" fazendas em busca de animais domésticos, despertando, assim, a ira dos fazendeiros que a matam sem piedade. Por esse motivo, e sobretudo pela rápida redução de seu habitat, esse felídeo, naturalmente raro, ainda encontra-se a beira da extinção em nosso país.